top of page
file3.jpg.png

Contra o tempo




Chego à Estação Esteio, passo o cartão de embarque e, de bicicleta, entro pela cancela lateral. Desço as escadas com a magrela a tiracolo e enquanto espero, devoro o sanduíche que fiz para almoçar. O trem chega e o vagão, destinado aos ciclistas, está razoavelmente livre. Acomodo a bici no suporte e a mim na parede oposta, os bancos estão ocupados.


Não pego o celular, quero aproveitar o tempo da viagem para repassar a próxima aula. No meio do “aquecimento”, sou interrompida pelo som de uma JBL e seu dono, autointitulado rapper e dentista “porque faço o povo mostrar os dentes com as minhas músicas”, ele explica. Rimando, passa por mim e solta:


Olha ela, de capacete indo trabalhar

Com as pernas, faz o mundo girar

De trem e de bike, duas vezes protege a natureza

Assim, fica fácil, explicar de onde vem tanta beleza



Os aplausos reverberam pelo vagão. Acho que algumas palmas são para os versos, outras por quem sou. Nós dois sorrimos em agradecimento. As moedas vão todas para o MC.


O show faz a viagem passar depressa. Desço do trem, carrego a magrela, agora, escada acima e, fora da estação, olho para o relógio. Preciso chegar em trinta minutos na escola. Coloco um fone no ouvido – nunca ponho os dois para conseguir ouvir o tráfego - e parto para o trabalho.


Tomo a Avenida Sertório que, no verão, parece feita de lava. Ando colada ao meio-fio. Apesar do asfalto irregular, não me arrisco, como outros ciclistas, a andar no corredor de ônibus. Prefiro seguir as “leis de trânsito”. Chego à quadra alguns minutos adiantada. É o tempo de tomar uma água, trocar a camiseta e enfrentar a primeira turma.


Entre uma aula e outra, percebo nuvens carregadas no céu. Depois desse calorão, só pode vir temporal. Não posso me atrasar para voltar. Se perder o trem das dezesseis horas, vou ter que esperar passar a hora do rush para ir para casa. Não dá para pegar a BR de bicicleta em dia de chuva.


Ministro a aula com um olho nos alunos e o outro nos ponteiros. Vez ou outra direciono os dois para o céu, como se pudessem segurar as gotas que se armam para cair. Encaminho as crianças para o refeitório com a estagiária (hoje vou pular a merenda) e traço o caminho de volta.


Se na ida o sol parecia estar na minha garupa, na volta é uma grande molhaçada. Os pingos reforçados alagaram de pronto as ruas. Apesar de conhecer o caminho, redobro a atenção. A água de cima camufla os buracos embaixo. Sem contar o fenômeno da Impacientice Aguda que acomete os motoristas em dias chuvosos, me fechando mais do que o habitual.


Na última sinaleira da Sertório, olho as horas mais uma vez. Tenho quinze minutos para chegar ao trem. Normalmente, faço os dois últimos quilômetros em menos de dez minutos. É a única parte do meu trajeto com ciclovia e, sem dúvidas, isso ajuda. Aproveito a segurança do meu espaço de direito no asfalto e acelero.


Alguns metros antes de chegar à estação, numa curva, um carro sai da pista em direção a calçada. O motorista não me vê. Eu não vejo o motorista. O encontro me faz voar da bike. Por sorte (?), o carro cortou a ciclovia antes de mim, não me pegando de frente. Quem viu a cena teve a sensação de que eu queria entrar pela porta do carona com bicicleta e tudo.


O motorista desce do carro gritando “Você está bem? Eu também sou ciclista! Pelo amor de Deus, me perdoe”. De pé, apalpo meus joelhos, cotovelos e dedos. Aprendi em outros acidentes que, com a adrenalina, a gente pode quebrar um osso e nem perceber. “Tu tá sangrando! Vou te levar para o hospital”. Encharcada e inteira, vejo o sangue escorrer pelas canelas. Desviro o guidão, olho o relógio e respondo, já sentada na magrela: “Valeu, mas não vai dar, moço. Tenho menos de cinco minutos para pegar o trem” e saio em disparada.


 
Apoio

144 visualizações11 comentários

Posts recentes

Ver tudo

11 Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Rated 5 out of 5 stars.

Adorei o texto, como conheço os locais mencionados, fiquei a me imaginar passando por eles conforme ia lendo....

Aproveito para indicar a minha crônica, para sua leitura:

https://www.rodrigovargaspsicoetrans.com/post/uma-aventura-n%C3%A3o-t%C3%A3o-%C3%A9pica-no-tr%C3%A2nsito

Abraços!

Like

Letícia Sielecki
Letícia Sielecki
Oct 08, 2023
Rated 5 out of 5 stars.

Sensível e perfeitamente realístico. Poderia ser o relato do dia d qualquer ciclista urbano. Adorei!

Like

Roberto d'Ávila
Roberto d'Ávila
Sep 05, 2023
Rated 5 out of 5 stars.

Muito bom o texto. Relata determinação, responsabilidade.

Escrita leve, fluida.

Like

Rated 5 out of 5 stars.

Parabéns Carol! Essa guria vai longe!

Like

Rated 5 out of 5 stars.

Brilhante, parabéns minha escritora predileta . Teus textos sempre são cheios de vida e nuances de sentimentos . Eu amo o que teus parágrafos me causam.

Like
SIGA MINHA PÁGINA NO WHATSAPP E RECEBA NOVAS POSTAGENS NA PALMA DA SUA MÃO!
23435_cdc8b03375b35ae73ee24facbffe12f8-16_02_2024, 15_58_25.png

Conheça a minha loja!

dribble_cart.gif
file1.jpg.gif
Sorteio Acorde.png
27124345-a-laranja-semi-caminhao-dirigindo-atraves-a-estrada-dentro-atrasado-tarde-de-por-

DIRIJA O SEU FUTURO

Conheça nossos Cursos Especializados de Trânsito.

bottom of page